Você abriu seu negócio, e a “conta nunca fechou”? A receita até entra, mas todas as dívidas e gastos sempre a superam? Está difícil de sair do vermelho e ver alguma luz no fim do túnel? Então, seus problemas acab… Calma, isso aqui não é um comercial de televendas. Mas temos algumas dicas muito importantes para quem quer sair da pindaíba e fazer o negócio prosperar pagando todas as contas em dia.

Além disso, dá para receber seu pró-labore (salário que o próprio dono paga a si mesmo) e, veja só, lucrar para reinvestir em seu negócio. Tudo sem dar calote, até porque se você está nessa, muito provavelmente, sofreu com inadimplência. Por isso, se temos uma dica bônus, este conselho é o seguinte: 1 – Não faça com os outros o que não gostaria que fizessem com você. Além dessa, temos mais 7 dicas.

Pronto para enxugar os seus gastos?

Como diz a música de Paulo Vanzolini, é importante reconhecer a queda antes, para depois levantar, sacudir a poeira e dar a volta por cima. Foto: William Montout

1. O mais importante: coloque seus gastos na ponta do lápis

Se você nunca colocou seus custos fixos e variáveis na ponta do lápis, chegou a hora. É a conta de padeiro mais importante da vida financeira de seu negócio.

  • Quanto você paga de folha (gastos com empregados)?
  • Quanto custa por mês seu fornecedor?
  • E o aluguel?
  • Manutenção de equipamentos?
  • Você fez algum empréstimo recentemente? Se sim, quanto é a parcela mensal?
  • Água, luz, IPTU, todo tipo de imposto… Tudo isso entra também na conta.

Vai doer saber o valor final dessa soma. Mas é com esse montante que você vai ter de lidar daqui pra frente. Como tornar esse monstrengo do seu gasto mensal em um dócil e obediente cachorrinho? Um bom começo é ver as seis dicas a seguir.

2. Renegocie com seus fornecedores

Agora é a hora de ver o que dá pra ser cortado. Antes de sair demitindo geral, pense que um dos pontos que dá pra economizar mais facilmente são os gastos com fornecedor. Renegocie os valores, veja se é possível fazer um desconto, pesquise os concorrentes. Certamente, eles estarão dispostos a fazer um preço mais camarada para conseguir um novo cliente.

3. Pense bem antes de demitir 

Não dizemos isso só porque somos bonzinhos e queremos um mundo cor-de-rosa. Mas demitir um funcionário deve ser uma das medidas mais drásticas e um dos últimos recursos para o corte de gastos. Em primeiro lugar, há a grande chance de você ter mais gastos se o seu ex-funcionário processá-lo na justiça do trabalho.

Em segundo lugar, uma demissão sempre afeta “o moral das tropas”, caso você tenha funcionários remanescentes. Claro que, se você identificar que um empregado está mesmo fazendo o tal do “corpo mole”, você deve, sim, demiti-lo.

O ideal é que o funcionário não fique sem saber das dificuldades pelas quais a empresa passa. Muitas vezes, se eles gostam do lugar que trabalham, podem apresentar soluções nas quais você não pensou.

4. Renegocie com seus credores

Todo credor quer receber seu investimento de volta. Se você acha que a parcela das dívidas de um empréstimo estão muito altas e se precisa de mais tempo para pagar, talvez seja a hora de diminuir a “paulada” mensal. Renegocie.

Às vezes, é melhor pagar uma quantia maior no montante final se você conseguir diminuir o valor das parcelas.

Mas atenção: só faça isso se você estiver enxugando gastos e aumentando a receita de verdade porque não adianta aumentar a dívida e a quantidade de parcelas se não há perspectiva alguma de saúde financeira. Nesse caso, seria apenas varrer o problema pra baixo do tapete.

5. Não misture CPF e CNPJ

Se você paga dívidas e gastos da empresa com dinheiro do cartão de crédito ou do cheque especial, tem de se lembrar da metáfora da areia movediça. Quanto mais você se mexe, mais afunda. Não faça isso. Em primeiro lugar, os juros do cartão de crédito e do cheque especial são os maiores possíveis. Em segundo lugar, o segredo para uma empresa quebrar é quando você paga conta do CNPJ com o dinheiro da pessoa física e/ou vice-versa.

6. Busque ajuda profissional

Um profissional externo é a pessoa mais adequada para passar um pente fino em seu negócio e identificar os gargalos. Foto: João Silas

Pode parecer contraintuitivo, mas se você sozinho não vê para onde seguir com seu negócio pode ser interessante contratar uma consultoria que te apresente novas possibilidades de lucro e te mostre quais são os principais gargalos de sua operação. Às vezes, você tem muito carinho por aspectos de sua empresa que podem ser justamente os principais causadores do mau momento financeiro.

Será mais um gasto contratar essa empresa? Sim, mas pode valer muito a pena quando você perceber que seu negócio voltou aos eixos.

Ah, e esteja pronto para ouvir algumas verdades desagradáveis, como “talvez seja melhor você parar de lidar diretamente com o cliente”, “aquele funcionário com quem você mais implica é a maior fonte de receita de sua empresa”.

7. Cuide do fluxo de caixa

Uma vez que você sabe quais são os seus gastos, faça planilhas para gerenciar quando e quanto cada um dos custos se apresenta no ao longo do mês. Tempo é dinheiro, não é o que dizem? E você pode ficar bem impressionado com o quanto pode economizar apenas acertando os ponteiros do relógio do dinheiro que entra e do que sai em seu negócio.

Além disso, se você ainda não aceitar cartões esta é a hora. Com as maquininhas de cartão da iZettle você recebe pagamentos como pessoa física ou jurídica. Parcele em até 12x e receba suas vendas em 2 dias úteis. Veja como aceitar cartão e aumentar suas vendas.