O preço de um produto para o consumidor final não é o mesmo pelo qual o empreendedor o compra, com raríssimas exceções, e isso é um senso comum. O preço para o cliente também não pode ser um “chute” ou uma simples dedução de quanto ele pode pagar. O preço de venda contempla o lucro para o empreendedor, entre outros fatores, mas como precificar produtos?

Um dos primeiros fatores a serem considerados, por exemplo, é o custo da produção quando falamos de produtos artesanais ou caseiros. Outras tantas variáveis vão se somar ao preço final, e neste texto vamos explicar brevemente como fazer essa precificação de produtos. Este processo utiliza cálculos para chegar a um valor justo para todos, com o risco de não vender ou então de ficar no prejuízo pelo baixo preço ofertado.

Continue lendo para saber tudo sobre a formação do preço de venda.

 

Preço de venda: o que é qual a importância em calcular?

Este é o preço final para o consumidor. Resumidamente, ele cobre os custos de compra ou produção, as despesas administrativas (aluguel, impostos e outros pagamentos), e o lucro. O preço de venda precisa ser bem calculado para não deixar o empreendedor no prejuízo, mas também é necessário considerar que valores muito altos ficam impraticáveis – é preciso competir com a concorrência.

Um bom balanço entre custos e despesas ajuda a calcular preço de venda sem perder os lucros. Alguns fatores são essenciais para esse momento de precificação, e falaremos mais a seguir.

 

Conceitos importantes para calcular o preço de venda

Para começar os cálculos, é importante entender alguns termos e suas aplicações. Sempre considerar os conceitos abaixo:

Margem de Lucro

A margem de lucro é a porcentagem de ganho sobre as vendas de um item, e precisa ser calculada individualmente entre cada produto (se são vendidas camisetas e vestidos, cada um tem sua própria margem). Definir essa margem considera a demanda pelo produto, olhando o histórico de vendas.

Custos Diretos

Aqui, são somados os gastos com a fabricação ou aquisição dos produtos, juntamente aos impostos incidentes sobre eles (ICMS, PIS, COFINS, etc).

Custos Indiretos

São as despesas administrativas, como aluguel, marketing, pagamentos, manutenção, etc. É importante calcular o reflexo dessas despesas em relação ao custo dos produtos.

Custo por produto

Este conceito é considerado quando se trabalha com compra e revenda ou com a compra de material para a fabricação do produto final. Esse é o custo de cada item comprado.

Valor para o cliente

Esta é a variável mais complicada ao calcular preço de venda, pois se trata da percepção de valor que o cliente faz sobre o produto ou o serviço. A comodidade, a exclusividade e as experiências do cliente ajudam a aumentar esse valor, também se destacando da concorrência e fazendo com o que o cliente escolha o seu produto.

 

Afinal, como calcular o preço de venda de um produto?

Este cálculo, salvo as variáveis já mencionadas, é relativamente simples: Custos + Despesas + Lucro = Preço de venda. Dentro dos custos, considerar o por produto e os diretos. Nas despesas, o custo indireto e, no lucro, a margem de lucro e o valor para o cliente.

Em um pequeno comércio de flores, por exemplo, os custos e despesas incluem a matéria prima, os itens decorativos, vasos, o tempo de trabalho no arranjo, o aluguel de um espaço, etc. Nesse exemplo, o lucro vai ser ainda mais influenciado pelo valor percebido pelo consumidor. Mas cada caso tem suas particularidades, por isso faça um bom levantamento das variáveis para acertar no cálculo.

Se você quer mais dicas para administrar bem o seu negócio, assine a nossa newsletter e acompanhe os melhores conteúdos.